Doenças de adultos também atingem as crianças

9 de agosto de 2012

Doenças de adultos também atingem as crianças

 

Alimentação saudável, atividade física e manutenção do peso corporal podem combater as doenças
Algum tempo atrás, doenças como hipertensão arterial, diabetes, o colesterol alto e a obesidade eram comuns apenas em adultos. Hoje, as crianças e adolescentes também são vítimas desse mal. Os dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) revelam que a cada três crianças de cinco a nove anos de idade, uma está acima do peso recomendado.
Para o cardiologista do Hospital Nossa Senhora das Graças, Alexandre Alessi, os pais podem ser grandes aliados para prevenir as doenças, realizando pequenas ações. “Os pequenos devem ser incentivados a criar hábitos saudáveis, como: ingerir menos sal, evitar lanches e doces, reduzir o peso e praticar regularmente exercícios físicos”, ressalta.
A hipertensão arterial ocorre principalmente na fase adulta, porém, o número de crianças e adolescentes hipertensos aumenta a cada dia. De acordo com a Sociedade Brasileira de Hipertensão (SBH), cerca de 5% da população, ou seja, 3,5 milhões de crianças e adolescentes brasileiros, com idade de até 18 anos, tenham a doença.

Segundo o cardiologista, os casos de hipertensão arterial em crianças ocorriam apenas em situações mais raras, como: doenças congênitas renais ou vasculares. “Hoje, toda criança com mais de 3 anos deve ter sua pressão arterial aferida. Se houver alteração e dependendo da causa da doença, a criança terá que se tratar até a fase adulta”, explica o Dr. Alessi.
Já, o colesterol alto, por exemplo, é mais suscetível em pessoas obesas, diabéticas e aqueles com forte carga genética para alteração metabólica do colesterol. Para que os pequenos fiquem longe da doença, é necessário ter uma dieta balanceada, pois o colesterol está presente principalmente nos alimentos de origem animal e, se consumido em exagero pode comprometer a saúde. “Ao consumirmos em quantidades maiores a gema de ovo, frutos do mar, carnes gordas, frios, embutidos, leite ou laticínios integrais podemos contribuir para o aumento do colesterol”, aponta.
Outros nutrientes também devem ser ingeridos com cautela, como as gorduras saturadas e gordura trans. Por isso, o cardiologista recomenda as frutas, verduras, peixes, frango e carnes magras ou grelhadas.

Cuidados com a Diabetes tipo 2
Há 50 anos, o diabetes tipo 2 representava menos de 3% de todos os novos casos diagnosticados entre crianças e adolescentes, segundo os dados da American Diabetes Association (ADA). Hoje, nos Estados Unidos, ele é responsável por até 30 em cada 100 casos. Já entre os adolescentes, a incidência do tipo 2 ultrapassa a casa dos 45% dos novos casos de diabetes, segundo um estudo publicado no Journal of Pediatrics.
Para o endocrinologista pediátrico do Hospital Nossa Senhora das Graças, Mauro Scharf, a principal causa é o aumento das taxas de obesidade, principalmente obesidade severa, e a falta de atividade física. “A obesidade está crescendo entre crianças de todas as idades, em ambos os sexos, em todos os grupos étnicos e classes sociais. Com o aumento das taxas de obesidade, maior a probabilidade de mais diagnósticos desta doença”, destaca.

Para que os pais possam ajudar os filhos a reduzir o risco do diabetes é necessário instituir tarefas em casa. “Uma das sugestões é limitar a televisão e separá-la da hora das refeições, a fim de evitar a associação. É recomendável também uma conversa com o pediatra, caso exista um histórico ou suspeita do diabetes 2 na família”, orienta o Dr. Scharf.

Fonte: Assessoria de Imprensa do Hospital Nossa Senhora das Graças.

Achei importante trazer este assunto aqui, pois hoje temos que correr para fazer tudo ao mesmo tempo, e se não nos  vigiarmos, acabamos procurando o que é "facil" mas prejudicial a saúde de nossos filhotes.

Beijos

0 comentários:

Postar um comentário